Arquivo

Archive for the ‘Japão’ Category

Brasileiros empregados em Mie são maioria dos trabalhadores estrangeiros

A estatística mostra que o número total de empregados estrangeiros atingiu o máximo desde 2007. E novas contratações ainda são necessárias.brasileiros em mieEm meio à falta de mão de obra também na província de Mie, obteve-se o registro máximo de trabalhadores estrangeiros, chegando a 24.220 pessoas em outubro do ano passado.

Os estagiários técnicos vindos dos países do sudeste asiático fazem parte dos 30% da fatia dessa mão de obra, segundo a Secretaria de Trabalho de Mie.

Pela primeira vez, desde 2007, o número de empresas e indústrias empregadoras ultrapassou a marca dos 3 mil, chegando a 3.039.

Por origem dos trabalhadores os brasileiros são maioria.

  • 6.701 brasileiros
  • 4.888 chineses
  • 3.604 filipinos
  • 3.361 vietnamitas
  • 1.556 peruanos
  • 533 nepaleses
  • 161 coreanos
  • 3.380 de diversas origens

Empregados diretos e por empreiteira
A escassez de mão de obra está nas indústrias de manufatura, como a dos automóveis. A proporção efetiva de oferta de emprego é tão alta quanto ao período da bolha econômica, analisou a secretaria.

A maioria dos trabalhadores estrangeiros (55%) está empregada nas indústrias de transformação. Uma boa parte (34%) é encaminhada para essas empresas através das empreiteiras, pelo haken ou ukeoi.

A previsão da secretaria é de continuar aumentando as contratações de trabalhadores estrangeiros na província.
Fonte: Portal Mie com Chunichi

Anúncios

Falta de mão de obra afeta funcionamento 24 horas de lojas de conveniência

Algumas operadoras de lojas de conveniência estão superando a falta de pessoas para trabalhar ao promover a automatização de certas operações em algumas filiaisfamily martGrandes operadoras de lojas conveniência japonesas continuam abrindo novas unidades enquanto enfrentam dificuldades para manter o funcionamento 24 horas em meio a uma crescente escassez de mão de obra no Japão.

Algumas operadoras de lojas de conveniência estão superando a falta de pessoas para trabalhar, incluindo a de funcionários de meio período, ao promover a automatização de certas operações de lojas.

Contudo, uma das operadoras iniciou o fechamento de algumas lojas até altas horas da noite quando o fluxo de clientes é baixo.

Em meio à crescente competição no mercado, a maneira que cada operadora de loja de conveniência lida com a escassez de funcionários pode refletir em seus diferentes estilos de gerenciamento, dizem especialistas.

A FamilyMart Co., experimentou o fechamento de algumas de suas lojas nacionais altas horas da noite ou trocou para operações com base em máquinas de venda automática.

O presidente da rede, Takashi Sawada, disse que as operações 24 horas não são necessárias em algumas lojas.
Fonte: Portal Mie com Jiji

Toyota e Honda confirmam segurança de alguns produtos da Kobe Steel

As investigações realizadas pelas montadoras seguem a revelação da Kobe Steel de que dados de inspeção sobre um grande número de produtos foram falsificados
kobe steel
Montadoras japonesa confirmaram o uso de produtos da Kobe Steel afetados pelos dados falsos de inspeção, mas disseram que não encontraram problemas de segurança até agora.

A Toyota Motor Corp. e a Honda Motor Corp. emitiram declarações no final da quinta-feira (19) descrevendo descobertas preliminares de verificações de materiais e peças da Kobe Steel. A mídia japonesa citou que oficiais de outras montadoras fizeram anúncios similares.

As investigações realizadas pelas montadoras, fabricantes de aeronaves e outros clientes da Kobe Steel seguem a revelação da empresa de que dados de inspeção sobre um grande número de produtos foram falsificados ou manipulados. A extensão do problema não está clara porque a Kobe Steel não identificou os clientes afetados pelo nome e ainda está investigando o problema.

Problema pode ter persistido por mais de uma década
No entanto, ela disse que dados sobre placas de alumínio, tubos e moldes de cobre e fios-máquina de aço usados em pneus e motores de veículos estão entre os produtos cujos dados não corresponderam às especificações ou eram falsos ou insuficientes. O problema pode ter persistido por mais de uma década, divulgou a mídia japonesa, citando ex-funcionários da Kobe Steel, sem identificá-los.

A Toyota disse em uma declaração que havia confirmado que placas de alumínio da Kobe Steel usadas em capôs, portas traseiras e outros componentes de seus veículos atenderam as exigências para resistência e durabilidade com base em dados da empresa que estava “bem além das especificações da Toyota.”

A Toyota disse que ainda estava investigando os produtos de alumínio da Kobe Steel.

Já a Honda disse que os painéis de alumínio eram os únicos produtos comprados diretamente da Kobe Steel. A empresa descobriu que todos eles atenderam aos seus padrões de segurança e que ainda estava investigando outras peças obtidas através de fornecedoras.

Muitos clientes da Kobe Steel disseram que estão verificando o problema. Até agora, nenhum deles confirmou qualquer risco específico de segurança. Contudo, no início desta semana, a Agência de Segurança de Aviação Europeia recomendou às empresas que suspendessem o uso de produtos da Kobe Steel quando possível enquanto elas revisam suas redes de fornecimento para identificar “peças suspeitas não aprovadas” da empresa que podem ter sido usadas.
Fonte: Portal Mie com Reuters

Brasileiros residentes no exterior podem se inscrever para o Encceja 2017 até 17 de julho

Encceja2017
As inscrições para o Exame Nacional para Certificação de Competências de Jovens e Adultos (Encceja) 2017 para brasileiros residentes no exterior estão abertas até 17 de julho, às 23h59 (Horário de Brasília). O Encceja é uma oportunidade para jovens e adultos que não terminaram seus estudos na idade regular e querem obter o certificado de conclusão do ensino fundamental ou do ensino médio. As inscrições são gratuitas.

O Encceja Exterior 2017 será aplicado em 10 de setembro, nos Estados Unidos (Boston, Nova Iorque e Miami); Bélgica (Bruxelas); Guiana Francesa (Caiena); Portugal (Lisboa); Suíça (Genebra); Espanha (Madri); Reino Unido (Londres); França (Paris), Holanda (Amsterdã) e Japão (Nagóia, Hamamatsu e Ota). Haverá, ainda, aplicação para pessoas privadas de liberdade (PPL) em Tóquio (Japão) e em Caiena (Guiana Francesa). O Encceja Exterior PPL 2017 será aplicado entre 11 e 22 de setembro.

Para a certificação do ensino fundamental o participante deve ter 15 anos completos na data da realização da prova. Para a certificação do ensino médio a idade é de pelo menos 18 anos na data da prova. O Encceja Exterior é aplicado pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep) em parceria com o Ministério das Relações Exteriores, por meio das representações diplomáticas do Brasil nos locais de aplicação.

Como se inscrever – A inscrição deve ser feita, exclusivamente, pelo endereço eletrônico sistemasEncceja2.inep.gov.br/exterior. No caso do Encceja Exterior PPL as inscrições são feitas em um sistema específico, no endereço sistemasencceja2.inep.gov.br/exteriorPPL. A inscrição para pessoas privadas de liberdade é de responsabilidade dos próprios consulados em Tóquio e em Caiena, onde haverá aplicação.

Os interessados em participar devem informar o CPF e a data de nascimento na inscrição. As necessidades de atendimento especializado (baixa visão, deficiência física, dislexia) e atendimento específico (gestante, lactante, idoso) também devem ser informadas durante a inscrição. É preciso optar pelo nível de ensino para o qual o participante busca a certificação. O passo seguinte é indicar quais provas deseja realizar.

Pessoas que obtiveram uma declaração parcial de proficiência em edições anteriores do Encceja (no caso do ensino fundamental), ou Encceja e Enem (no caso do Ensino Médio) não precisam refazer a prova na qual já obtiveram nota mínima. O certificado, entretanto, só é emitido quando o participante conseguir as notas mínimas exigidas em todas as provas. O processo de inscrição inclui, ainda, um questionário sócio-econômico.

Especificidades – Pessoas que fizeram edições do Encceja Exterior antes de 2014 e conseguiram a nota mínima para uma declaração parcial de proficiência em alguma prova devem informar o número de passaporte usado na inscrição da edição na qual obteve o resultado. Dessa forma será possível ser dispensado da prova da qual já se tem o resultado exigido.

Estrutura da Prova – Para certificação do ensino fundamental o participante faz provas de Ciências Naturais, História e Geografia (matutino), além de Língua Portuguesa, Língua Estrangeira Moderna, Artes, Educação Física e Redação; e Matemática (vespertino). Para a certificação do ensino médio as provas são de Ciências da Natureza e suas Tecnologias e Ciências Humanas e suas Tecnologias (matutino); além de Linguagens e Códigos e suas Tecnologias e Redação e Matemática e suas Tecnologias (vespertino). Cada prova tem 30 questões de múltipla escolha com quatro alternativas de resposta.

Clique aqui para acessar o edital do Encceja Exterior 2017
Clique aqui para fazer inscrição para o Encceja Exterior 2017
Clique aqui para fazer inscrição para o Encceja Exterior 2017 PPL
Clique aqui para mais informações sobre o Encceja Exterior 2017 em Nagoia
Fonte: Consulado-Geral do Brasil em Nagoya

Produção nas fábricas no Japão está aumentando

Exportações e investimentos ligados às Olimpíadas de Tóquio contribuem para o aumento da produção em fábricas no Japão

producao nas fabricas
A produção em fábricas no Japão teve um aumento de 4% em abril em comparação ao mês anterior, mostraram dados oficiais na quarta-feira (31), indicando que a terceira maior economia do mundo está finalmente observando uma expansão moderada.

No entanto, o número teve uma ligeira queda das expectativas de mercado de um aumento de 4.2% e veio um dia após dados terem mostrado que a demanda do consumidor continua lenta, apesar dos esforços do governo em estimular o consumo.

A leitura positiva ocorre após uma queda de 1.9% da produção em fábricas no mês de março, de acordo com dados divulgados pelo Ministério da Economia, Comércio e Indústria.

O ministério também revisou para cima sua perspectiva para a produção em fábricas no mês de maio, e o Japão espera que a produção industrial aumente 1.8% em junho.

“Os números mostram que a produção seria forte no trimestre abril-junho, sustentando a perspectiva de que a economia do Japão está no caminho da recuperação”, disse Yoshiki Shinke, economista-chefe na Dai-ichi Life Research Institute, à AFP.

A perspectiva do Japão vem melhorando com o apoio de fortes exportações, com investimentos ligados à Olimpíadas de Tóquio em 2020 dando um impulso no processo.
Fonte: Portal Mie com Japan Today

Meio milhão de imigrantes por ano para resolver a falta de mão de obra no Japão

falta de mao de obra

O primeiro-ministro do Japão Shinzo Abe, está se esforçando para combater o alarmante declínio demográfico de sua nação: promover robôs e outras tecnologias que aumentam a produtividade, trazendo mais mulheres para a força de trabalho, abrindo ainda mais a porta para os estrangeiros. No entanto, ele precisa se esforçar ainda mais, especialmente quando se trata de imigração.

As empresas japonesas já relatam que não conseguem encontrar pessoas para contratar e que o futuro provavelmente não melhorará – os pesquisadores do governo esperam que a população do país caia em quase um terço até 2065, altura em que cerca de 40% serão idosos . Haverá 1,3 trabalhadores para cada pessoa com mais de 65 anos, em comparação com 2,3 em 2015.

Os pesquisadores dizem que para manter a população atual, o Japão teria que deixar entrar mais de meio milhão de imigrantes por ano. Em uma sociedade tão insular e homogênea como o Japão, qualquer aumento seria uma ordem muito alta.
Isso não quer dizer que nada pode ser feito. Abe, apesar dos recentes escândalos, continua a ser o líder japonês mais poderoso em anos. Ele tem poucos rivais dentro ou fora do Partido Liberal Democrático, e ele mostrou que pode ser ousado quando as apostas são suficientemente elevadas – na revisão da postura militar do Japão, por exemplo, e em fazer concessões para fazer avançar o acordo comercial Trans-Pacífico .

mao de obra estrangeira

Ele agora precisa persuadir o Japão de que uma imigração substancialmente maior é uma necessidade vital. Até agora, os movimentos para aumentar o influxo foram mascarados – por exemplo, trazendo mais trabalhadores estrangeiros de baixa qualificação sob um programa de treinamento chamado de expansão (um dispositivo que, aliás, facilitou o abuso). Um programa supervisionado de trabalhadores convidados é o mínimo necessário, e deve incluir um caminho para a residência permanente. Uma vez que o objetivo é reconhecido abertamente, o governo também pode investir mais em programas de idiomas e outras medidas para ajudar os recém-chegados a se integrar.

O Japão deve dar boas-vindas aos estudantes universitários estrangeiros que querem permanecer e trabalhar após a graduação, e incentivar migrantes hábeis. Em alguns casos, reduzir as barreiras para a entrada será crucial: aliviar a escassez aguda de trabalhadores para cuidar dos idosos, por exemplo, significa redesenhar os testes considerados difíceis para os enfermeiros estrangeiros.
Uma mudança cultural mais ampla também é necessária. O Japão deve adotar uma perspectiva menos insular e incentivar o uso do inglês em negócios e outras interações.

A complacência é algo que o Japão não pode pagar. Se o país não consegue enfrentar o desafio demográfico, está condenado a declinar. Para continuar próspero, o Japão terá que mudar.
Fonte: IPC Digital

Número de brasileiros no Japão sobe pela primeira vez desde crise de 2008

Houve um aumento de 4,3% no ano passado, para 180.923 pessoas
brasileiros no japao2

Pela primeira vez desde a crise financeira de 2008, o número de brasileiros residentes no Japão apresentou crescimento.

Segundo dados divulgados pelo Ministério da Justiça do Japão na última sexta-feira (17), o total de brasileiros registrados até dezembro de 2016 era de 180.923. Este resultado representa alta de 4,3% da comunidade residente no país se comparado a 2015.

Os brasileiros são a quinta maior comunidade estrangeira atrás de chineses, coreanos, filipinos e vietnamitas. Dessas comunidades, apenas a coreana apresentou redução (1%), com destaque para a vietnamita cujo total subiu 36,1%, somando 199.990 residentes. Outra comunidade que apresentou forte aumento foi a nepalesa, com 23%.

A alta no número de brasileiros no Japão mostra que o movimento dekassegui, caracterizado pela entrada e saída no país de descendentes de japoneses para trabalhar, depende muito da situação econômica dos países relacionados.

Um brasileiro residente no Japão, devido a sua relação de instabilidade de trabalho, portador de contrato temporário, pode voltar a engrossar o contingente que sai e retorna ao arquipélago constantemente.

Da mesma forma, uma crise sócio-econômica no Brasil pode atrair novamente para o Japão os descendentes lá residentes. A oferta de mão de obra nos dois lados também pesa muito na flutuação dos números. Caso o visto para yonsei (quarta geração) seja liberado, será muito difícil dar como acabado o movimento dekassegui.

Ainda segundo os dados divulgados pelas autoridades migratórias japonesas, o número total de residentes estrangeiros no Japão subiu 6,7% em 2016, somando 2.382.822 pessoas.

A maioria dos vistos de permanência e trabalho no país apresentaram aumento, com destaque para os vistos concedidos aos estrangeiros que possuem alta qualificação profissional. Este tipo de permissão de estadia e trabalho foi criado em 2015, apresentando aumento de 149% em 2016.

Outro tipo de visto que cresceu muito foi o concedido ao pessoal da área médica. Tóquio é a província onde residem mais estrangeiros, seguida de Aichi, Osaka e Kanagawa.

Nos próximos dias, o Ministério da Justiça do Japão deve divulgar o número de brasileiros por província, idade e gênero.

Número de brasileiros residentes no Japão
2007 – 313.771
2008 – 309.448
2009 – 264.469
2010 – 228.702
2011 – 209.265
2012 – 190.609
2013 – 181.317
2014 – 175.410
2015 – 173.437
2016 – 180.923
Fonte: Alternativa com Ministério da Justiça do Japão