Arquivo

Archive for the ‘economia do Japão’ Category

BC do Japão prevê recuperação econômica estável em 2017

A avaliação reforça as expectativas de que o banco central vai segurar uma expansão de estímulo

economia-japan
O presidente do Banco do Japão, Haruhiko Kuroda, disse que espera que a economia do país desfrute de uma recuperação estável ao longo deste ano, com a expectativa de uma redução nos fatores negativos ao redor do mundo, de acordo com o jornal Nikkei.

A avaliação reforça as expectativas do mercado de que o banco central vai segurar uma expansão de estímulo no futuro previsível.

“Há muitas coisas que podemos fazer, se necessário” para impulsionar o crescimento, disse Kuroda em uma entrevista ao jornal Nikkei, refutando as opiniões de alguns analistas de que o Banco do Japão ficou sem munição política, depois de mais de três anos de agressiva impressão de dinheiro.

Mas ele disse que as perspectivas otimistas para a economia global, o aumento dos preços das ações japonesas e uma reversão no fortalecimento excessivo do iene permitirão que a economia do Japão sustente uma recuperação econômica estável ao longo de 2017.

“No geral, as economias globais e a japonesa estão se movendo em uma direção positiva e mais desejável”, acrescentou ele, em uma entrevista realizada na semana passada.

Em relação às políticas esperadas do presidente eleito dos Estados Unidos, Donald Trump, Kuroda disse que não espera que o novo governo implemente medidas extremas, como restrições comerciais, pois elas prejudicariam a economia dos EUA, bem como as economias dos países rivais.
Fonte: Alternativa com Reuters

Anúncios

Economia japonesa cresce 2,2%, mas perspectiva ainda é fraca

Leitura preliminar do PIB traduziu-se em expansão de 0,5% no terceiro trimestre

japan-economia
A economia do Japão superou as expectativas entre julho e setembro, expandindo-se pelo terceiro trimestre consecutivo com as exportações mais fortes, mas a fraca atividade doméstica põe em dúvida as esperanças de recuperação sustentável.

Dados governamentais ressaltaram recuperação econômica potencialmente frágil, dependente de exportações, assim como a vitória do republicano Donald Trump nas eleições presidenciais dos Estados Unidos aumentou a incerteza sobre as perspectivas econômicas globais.

O Produto Interno Bruto (PIB) do país cresceu 2,2 por cento no terceiro trimestre em base anualizada, mais rápido do que o aumento de 0,9 por cento esperado pelos mercados, depois do avanço de 0,7 por cento entre abril e junho. Foi o terceiro trimestre consecutivo de expansão.

“As exportações se recuperaram, mas o consumo privado e as despesas de capital estão fracos. A economia não está tão forte”, disse Hidenobu Tokuda, economista sênior do Mizuho Research Institute.

“Há riscos da China e das políticas comerciais da Trump”, disse Tokuda, ecoando as preocupações dos políticos.

A leitura preliminar do PIB traduziu-se em expansão trimestral de 0,5 por cento no terceiro trimestre, contra ganho de 0,2 por cento esperado pelos economistas.

A demanda externa –ou exportações menos importações– somou 0,5 ponto percentual ao PIB, devido ao salto nas exportações sobre o trimestre anterior e à queda das importações causada pelos ganhos do iene, pela queda do preço do petróleo e pela fraca demanda interna.
Fonte: Alternativa

Japão melhora perspectiva sobre exportações pela 1ª vez em um ano

O governo também está mais otimista em relação à situação do emprego, mas o consumo continua fraco

exportaçõesO governo do Japão melhorou sua perspectiva para as exportações pela primeira vez em um ano nesta quinta-feira, mas manteve a avaliação econômica geral de recuperação moderada uma vez que o consumo privado continua fraco.

O relatório econômico mensal do governo foi divulgado após dados nesta quinta-feira mostrando que as exportações em janeiro tiveram o maior salto desde o final de 2013. O banco central japonês também melhorou sua avaliação sobre as exportações e a produção na quarta-feira.

Uma aguardada recuperação nas exportações, que havia sido um ponto fraco na economia apesar do iene fraco, oferece esperança a autoridades que acreditam que os preços mais baratos do petróleo levará as empresas a gastar mais com salários e investimentos.

O Escritório do Gabinete também melhorou sua visão sobre a situação do emprego no Japão, mas disse que uma mentalidade fraca de consumo deve continuar pesando sobre a economia em geral.

"Deve ser dada atenção aos riscos à economia japonesa como o enfraquecimento da confiança do consumidor e desaceleração das economias internacionais", disse o escritório.

A economia do Japão se recuperou de uma recessão para crescer 2,2 por cento em termos anualizados no último trimestre do ano passado, dado um impulso aos esforços do primeiro-ministro Shinzo Abe para livrar-se de décadas de estagnação do crescimento.

Mas a expansão foi menor do que o esperado, sugerindo uma recuperação ainda frágil em meio ao crescimento global irregular.
Fonte: Alternativa com Reuters
www.shigoto.com.br
visto japonês, emprego no Japão, turismo no Japão e passagem para o japão

Creches ficarão mais baratas para famílias com renda até 2,7 milhões

Despesas mensais serão fixadas em ¥3 mil e a regra é válida para domicílios com crianças de 3 a 5 anos

creches no japao
O governo anunciou que, a partir de abril deste ano, as famílias que possuem renda anual inferior a ¥2,7 milhões terão as despesas com mensalidade de creches fixadas em ¥3 mil. A informação foi divulgada pelo jornal Asahi nesta segunda-feira.

A nova medida irá valer tanto para instituições públicas quanto privadas, desde que as crianças tenham entre 3 e 5 anos. O plano do governo é isentar os custos com creches em todo o país até o ano de 2020, como forma de incentivo para a educação e auxílio para as famílias com crianças pequenas.

Para 2015, havia o projeto de tornar a creche gratuita para famílias com crianças de 5 anos e renda inferior a ¥3,6 milhões ao ano. No entanto, a decisão de adiar o aumento do imposto sobre o consumo, entre outras razões, fez com que o projeto se tornasse inviável para este ano.

No domingo, o ministro da Educação, Hakubun Shimomura e o ministro das Finanças, Taro Aso, concordaram com a execução do projeto. Em comparação a 2014, os custos com educação infantil terão um aumento de ¥6,3 bilhões em 2015 com a nova medida.

Atualmente, as despesas com creche são de ¥9.100 ao mês para instituições privadas e ¥4.900 ao mês para instituições públicas. Para as escolas infantis de tempo integral, o custo mensal é de ¥6000 e não haverá alterações com a nova regra.
Fonte: Alternativa
www.shigoto.com.br
visto japonês, emprego no Japão, turismo no Japão e passagem para o japão

Em reunião, Abe insta líderes empresariais a aumentar salários dos trabalhadores

Shinzo-Abe
O primeiro-ministro do Japão, Shinzo Abe, pediu aos líderes da comunidade empresarial para elevar os salários dos trabalhadores, noticiou a NHK. Os líderes empresariais se comprometeram a fazer esforços para atender à solicitação. O anúncio foi feito durante reunião entre representantes do governo, indústria e sindicatos em Tóquio nesta terça-feira (16).

O ministro da Revitalização Econômica, Akira Amari, esteve presente. Sadayuki Sakakibara, presidente da Keidanren, Federação das Organizações Econômicas do Japão, e Nobuaki Koga, presidente da Confederação Japonesa de Sindicatos também participaram.

Abe pediu aos líderes empresariais para aumentar os salários nas negociações salariais anuais na próxima primavera. Ele disse que espera que os aumentos continuem no ano seguinte para garantir que os efeitos de sua política econômica, conhecida como Abenomics, possam alcançar toda a população.
Fonte: IPC Digital
www.shigoto.com.br
visto japonês, emprego no Japão, turismo no Japão e passagem para o japão

Banco Central do Japão surpreende e afrouxa mais a política monetária

A autoridade decidiu aumentar o ritmo ao qual expande a base monetária para cerca de 80 trilhões de ienes

bc do japao
O Banco do Japão surpreendeu os mercados financeiros globais nesta sexta-feira ao expandir seu forte estímulo, reconhecendo que o crescimento econômico e a inflação não aceleraram como esperado após o aumento do imposto sobre vendas em abril.

O presidente do banco central japonês, Haruhiko Kuroda, classificou a decisão como uma prevenção para manter a política monetária no caminho certo, não admitindo que seu plano saiu dos trilhos.

"Decidimos expandir o estímulo quantitativo e qualitativo para garantir que alcancemos logo nossa meta de preço", disse ele em entrevista à imprensa, reafirmando a meta de inflação de 2 por cento no próximo ano.

"Estamos em um momento crítico no esforço de nos libertamos da mentalidade de deflacionária."

Em uma rara decisão dividida, o conselho do banco central votou por 5 a 4 para acelerar as compras de títulos do governo japonês, para que seu portfólio aumento ao ritmo anual de 80 trilhões de ienes (723,4 bilhões de dólares), 30 trilhões de ienes a mais do que era feito até então.

"A economia do Japão continua se recuperando moderadamente como tendência e deve continuar crescendo acima de seu potencial", informou o banco central. "Mas a demanda doméstica fraca após o aumento do imposto sobre vendas e fortes quedas nos preços do petróleo estão pesando sobre os preços."

Em relatório semianual, o banco central ainda cortou pela metade sua previsão de crescimento para o ano fiscal até março, para 0,5 por cento. Também reduziu ligeiramente a projeção para o índice de preços ao consumidor para os anos fiscais de 2014 e 2015, mas ainda espera atingir sua meta de inflação dentro do cronograma de dois anos originalmente determinado.
Fonte: Alternativa com Reuters

Maior sindicato do Japão reivindica aumento salarial para 2015

aumento salarial
A maior confederação de sindicatos trabalhistas do Japão, Rengo, informou que reivindicará aumento salarial de, no mínimo, 2% para 2015 acompanhando as medidas do Governo para aumentar os impostos no país. Segundo a entidade em informações divulgadas pela agência Efe, o objetivo da reclamação é manter o nível de vida dos trabalhadores após o aumento do imposto sobre consumo de 5% para 8% em abril deste ano.

O governo japonês planeja um novo aumento para 10% a partir de outubro de 2015 e vem insistindo para as empresas aumentarem os salários dos funcionários para evitar uma desaceleração da economia. Nobuaki Koga, presidente da Rengo, afirmou que a classe trabalhadora “necessita do aumento de salário para que o consumo não seja afetado pelo aumento dos preços”.

A solicitação também é apoiada pela principal confederação patronal do Japão, Keindanren, que, pela primeira vez em seis anos, defendeu o aumento dos salários e justificou como consequência da recuperação da economia.

O aumento salarial é um fator chave no programa econômico do governo japonês que visa criar um círculo de crescimento nos lucros das empresas, salários e consumo, que respondem por 60% do PIB, para por fim a um ciclo deflacionário de aproximadamente 15 anos.
Fonte: IPC Digital