Arquivo

Archive for the ‘curso de solda no Japão’ Category

Mie oferece curso de modelagem de metal para estrangeiros

soldadorA província de Mie oferece aos residentes estrangeiros um curso gratuito de solda e modelagem de metal para quem esteja recebendo o seguro desemprego, saiba ler e escrever em japonês e deseja trabalhar na área.

Segundo a NPO Tsutamaru, serão seis meses de aulas na escola técnica provincial Mie Kenritsu Tsu Koutou Gijutsu Gakkou do dia 8 de abril até 10 de setembro.

No treinamento, os alunos aprenderão sobre estrutura de ferro (soldagem, usinagem e processamento de chapas), produção de peças metálicas (solda e trabalho com prensa) e fabricação de produtos de chapa (processo de produção de lâminas). São 10 vagas oferecidas.

Inscrições e informações pelo telefone: 059-234-2839 (Mie Kenritsu Tsu Koutou Gijutsu Gakkou). Home page: http://www.tcp-ip.or.jp/~tsutech/
Fonte: IPC Digital

Brasileiros investem no futuro profissional

Em busca de qualificação profissional e melhores salários, brasileiros no Japão têm se dedicado a várias modalidades de cursos
curso de solda em Komaki

Diariamente a sede de uma escola localizada em Komaki (Aichi) recebe alunos de várias regiões do Japão, matriculados no curso de solda MIG MAG. Trata-se de sistema de soldagem bastante utilizada na fabricação de peças em aço e nas estruturas de liga de alumínio.

Os alunos aprendem a teoria e os equipamentos de segurança que devem usar, como máscaras, luvas e roupas de proteção. E logo no primeiro dia de aula, já tem o aprendizado prático, com a regulagem do oxigênio, e com o maçarico e eletrodos em mãos.

De acordo com o professor Élson Mendes, não existe crise nesse mercado de trabalho. E o salário é sempre melhor do que em outras áreas. “O salario depende da região. Aqui em Aichi o salário básico de um soldador é de Y 1.350 a hora, mas se o profissional for trabalhar em Ishikawa-ken, ou na região de Kobe e Osaka, o salário inicial chega a Y 1.700 a hora”, afirma.

Élson revela que os alunos buscam o curso pensando também em ter uma qualificação profissional para quando retornarem ao Brasil, afinal, também por lá o salário é atrativo em estaleiros ou empresas de serralheria.

O curso de solda em Komaki é avalizado pela J-wel, uma escola japonesa que atende várias empresas no Japão e que emite a licença. “Nós executamos os testes de chapa, a pessoa faz uma solda e o material é enviado para a empresa. Passando esse teste a empresa emite uma habilitação de soldador para o aluno, que se torna profissional”, explica.

O curso básico em Komaki tem duração de 30 horas aulas que o aluno pode cumprir de acordo com sua disponibilidade de tempo, mesmo durante a semana. E as empreiteiras têm sempre vagas à disposição para essa mão de obra qualificada, segundo garante Élson Mendes.

O aluno Akio Moshi revelou a intenção de terminar o curso o mais rápido possível. Ele mora em Hamamatsu faz 7 anos e revela a expectativa de exercer a nova profissão quando regressar ao Brasil, em empresa própria que pretende abrir. O aluno Paulo Lazarine Soares, em sua primeira aula, classificou como fácil o aprendizado – dizia que em 10 dias concluiria o curso.

No período de 10 meses em que o curso é ministrado em Komaki 135 alunos se formaram soldadores, na maioria homens. Mas a solda também atrai mulheres – quatro tiveram o certificado de soldadoras. Alice Otani, em seu segundo dia de aula, se mostra decidida ao aprendizado. Ela mora no Japão faz 14 anos, empregada uma fábrica de auto-peças, e pensa em no futuro exercer a profissão de soldadora no Brasil.

Meia dúzia de novas licenças foram expedidas a novos soldadores brasileiros. O ex-aluno Roberto Toshio Iwamura ostenta o certificado e a carteira de habilitação e conta que já tem emprego garantido em uma firma de solda. Ele também tem em vista emprego no Brasil em uma fábrica de chassis de caminhões e afirma que sempre pensou em se qualificar.

Outro ex-aluno, Marcelo de Lima, também concluiu o curso recebeu sua carteira de profissional. Ele já trabalha com solda, mas não tinha a licença. Depois de obter a primeira habilitação, o soldador pode fazer mais três estágios de capacitação, elevando ainda mais a sua qualificação profissional.
Fonte: IPC Digital com JPTV